Destaques

"...Enquanto ensinarmos que o mundo é um lugar a ser evitado, que as mazelas humanas são fruto da ausência de Deus, que Deus não ouve os pecadores, que só a igreja evangélica é que detém os "diretos autorais" da salvação, que ser forte e inabalável é sinônimo de fé e que ser pecador é ser inimigo de Deus então ainda não entendemos o plano da salvação e o evangelho de cristo rebaixado apenas á mais uma religião...."
"Sequencia de vídeos diários com a leitura do Novo Testamento"

sábado, 24 de setembro de 2011

E se a Teologia da Prosperidade se convertesse ao Espiritismo?


Estava conversando despretensiosamente com o companheiro @valoresdoalto (editor do blog Valores do Alto)  pelo twitter e surgiu uma conversa engraçada – mas que tem sérias implicações. Eu ri, confesso, e achei a possibilidade tão sui generis que resolvi escrever um post sobre o assunto. Tudo começou quando uma apresentadora de TV da Globo criou um quadro em seu programa falando sobe médiuns, espíritas kardecistas e como eles vivem e fazem seu trabalho religioso. Bem, nem eu nem você que somos cristãos concordamos com o pressupostos doutrinários dessa religião, a começar porque eles não consideram Jesus como Deus. Só isso já bastaria. Mas temos de admitir: no que tange à questão de dinheiro, eles dão de dez em nós, cristãos evangélicos. A própria essência do espiritismo leva os médiuns a fazer o que fazem sem levar em conta as questões financeiras e a dispensar as riquezas obtidas por meio de suas “obras mediúnicas”.  Pelo contrário: levam a questão da caridade mil vezes mais a sério do que nós, o “dar mais do que receber” para eles é essencial, visto que acreditam que a caridade é o que há de mais importante para sua evolução espiritual. Então, por mais que consideremos o espiritismo uma doutrina de demônios, temos de admitir que os “grandes médiuns” (pelo menos até onde saibamos) não buscam a riqueza como finalidade de suas atividades.
Foi quando eu e @valoresdoalto especulamos como seria se os grandes pregadores da Teologia da Prosperidade se convertessem ao espiritismo. Para começar, programas de TV e até emissoras teriam de fechar ou mudar radicalmente seu conteúdo. Pois em vez de pedir, pedir, pedir, vender, vender, vender, esses tais começariam a dar. Meu Deus, que revolução isso provocaria na Igreja evangélica brasileira! Campanhas seriam lançadas para alimentar os pobres em vez de comprar jatinhos, livros inúteis de autoajuda gospel deixariam de ser publicados para a publicação de obras que falassem sobre “dar sem esperar nada em troca”. Seria surreal de ver. A cara da “igreja evangélica” mais visível na mídia mudaria radicalmente. Tá me entendendo, sim ou não?
Um pouco de conhecimento
Aliás, não sei se você sabe, mas na verdade a Teologia da Prosperidade teria tudo para ser muito mais ligada às religiões não-cristãs do que ao Cristianismo. Simplesmente porque suas raízes estão na Nova Era. Você sabe como surgiu a Teologia da Prosperidade que hoje em dia é tão divulgada por certas denominações, por telepastores, telemissionários e empresários da fé que se chamam de “pastores”? Vou te contar. Para tanto, uso como base estudo feito pelo respeitado Pastor Elinaldo Renovato de Lima, da Assembleia de Deus de Parnamirim e escritor de comentários e lições bíblicas – citando outros autores em seu artigo, publicado em detalhes AQUI, mas vou procurar resumir ao máximo.
Tudo começou com uma mulher chamada Mary Baker Eddy (foto à esquerda), fundadora do movimento herético de Nova Era chamado Ciência Cristã, que afirma que “a matéria e a doença não existem e que tudo depende da nossa mente”. Foi quando, nas décadas de 1930 e 1940, um pastor chamado Essek William Kenyon (foto à direita) passou a admirar os ensinamentos heréticos de Mary Baker Eddy, sabe-se lá por quê. Depois de pastorear igrejas batistas, metodistas e pentecostais, terminou sem ligar-se a qualquer igreja. Ele acabou fazendo uma grande salada religiosa, em que misturava as heresias de movimentos não-cristãos (como Ciência da Mente, Ciência Cristã e Novo Pensamento) com partes do Cristianismo, tornando-se assim pai do chamado “Movimento da Fé”.  Exatamente da mesma maneira que há pouco tempo o livro herético “O Segredo” ensinava, todas essas religiões afirmavam que, graças ao poder da mente, “tudo o que você pensar e disser se transformará em realidade”.
Até aí os pensamentos de Kenyon não passavam de uma grande inutilidade que não influenciava e atrapalhava quase ninguém e que seria imediatamente repudiado por qualquer cristão, até os que estivessem  em início de caminhada de fé – tamanhos os absurdos que propunha. Só que… é quando entra na história o homem que mudou isso: Kenneth Hagin.
Kenneth Hagin (foto à direita) conseguiu dar uma maquiagem cristã convincente às ideias satânicas de Kenyon. Discípulo dele, nasceu em 1918, nos Estados Unidos. Depois de ter sofrido com muitas doenças e de ter sido muito pobre, diz que se converteu “após ter ido três vezes ao inferno”. Aos 16 anos Kenneth Hagin afirmou ter recebido uma revelação de Mc 11.23,24, e aí descobriu “que tudo se pode obter de Deus, desde que confesse em voz alta, nunca duvidando da obtenção da resposta, mesmo que as evidências indiquem o contrário”.
Pronto. Com isso ele inventou a heresia da “Confissão Positiva” – aquela coisa de “eu declaro isso em nome de Jesus”, “eu tomo posse daquilo em nome de Jesus”, “eu decreto isso em nome de Jesus” etc que até hoje é um modismo disseminado como um câncer entre grande parte da Igreja.
O próximo ensinamento que Hagin herdou de Kenyon, que por sua vez herdou das religiões de Nova Era, é o das “promessas da doutrina da prosperidade”. Segundo essa doutrina, o cristão tem direito a saúde e riqueza, o que tornaria doença e pobreza “maldições da lei”.  Usando Gl 3.13,14, Kenneth Hagin diz que fomos libertos da maldição da lei, que seriam: pobreza, doença e morte espiritual. Ele tomou emprestadas as maldições de Dt 28 contra os israelitas que pecassem. Citando Pr. Elinaldo, “Hagin diz que os cristão sofrem doenças por causa da lei de Moisés”.
Depois que inventou seus absurdos, Hagin foi pastor de uma igreja batista, depois ligou-se à Assembleia de Deus, passou por várias igrejas pentecostais, e, como era de se esperar, fundou sua própria organização, o Instituto Bíblico Rhema. Uma curiosidade é que o inventor da Teologia da Prosperidade foi inclusive acusado de plágio, por ter escrito livros com total semelhança aos de seu mentor, Essek Kenyon. Sua explicação? “Não é plágio, recebi diretamente de Deus”. Tá me entendendo, sim ou não?
Pois é. Aí Kenneth Hagin começou a escrever um monte de livros, onde afirma, entre outras coisas, que “recebe revelações diretamente do Senhor” (Hagin, Compreendendo a Unção, p. 7).  E esse lixo teológico passou a ser devorado por legiões de pessoas de limitado conhecimento bíblico, que começaram a propagar a Teologia da Prosperidade. Como seus argumentos trazem soluções imediatas aos problemas da vida, foi fácil arrebanhar multidões. Mas, se você analisar bem, a Confissão Positiva e a Teologia da Prosperidade tentam com suas práticas fazer Deus de escravo – afinal, por esse pensamnto, se as pessoas “declaram pela fé”, “decretam em nome de Jesus” e coisa que o valha, o Onipotente e Soberano Criador do Universo não tem o que fazer a não ser obedecer suas criaturas como uma vaquinha de presépio.
Fim de papo
Bem, essa é a origem – de Nova Era, satânica, demoníaca, mentirosa, herética etc etc etc – da Teologia da Prosperidade. E, agora que você descobriu isso, caso já não soubesse, voltemos ao início do nosso texto. Imagine os teólogos da prosperidade se convertendo ao espiritismo, passando a acreditar em “dar é melhor que receber”, que é pela caridade que se evolui e outros pressupostos do kardecismo (e que fique claro que não estou defendendo essa religião, apenas constatando aquilo que ela advoga). As manhãs de sábado ficariam sem muitos programas de TV, emissoras de TV e rádio fechariam, do mesmo modo que milhares de igrejas que juram que você vai parar de sofrer se der ofertas em campanhas malucas… Tudo isso sumiria de repente. E, quem sabe, a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo sofreria assim uma purificação e voltaria a entender que o Reino de Jesus não é deste mundo e que riqueza material não quer dizer absolutamente nada com relação à eternidade.
Ou, outra coisa que poderia acontecer, é o que meu colega @valoresdoalto disse: “Se eles [os teólogos da prosperidade] se convertessem ao kardecismo rapidinho ia mudar a mentalidade deles [os espíritas]… kkk… iriam achar um desaforo um médium de Deus ser pobre”. É, é bem possível.
Oremos para que os teólogos da prosperidade não se convertam a qualquer outra religião que não seja o Cristianismo puro e simples. Não, queridos pastores que “decretam” e “declaram” e irmãos que “tomam posse pela fé” de carros, empregos, casamentos e outras coisas da esfera material, nós não queremos que vocês se tornem espíritas. Mas eu, pelo menos, ficaria muito feliz se vocês se convertessem de fato aos ensinamentos de Jesus de Nazaré. Tá me entendendo, sim ou não?
Paz a todos vocês que estão em Cristo.



Para mais informações sobre o assunto leiam esse excelente livro que conta toda essa história:
http://www.desejandodeus.com.br/2010/07/livro-o-evangelho-da-prosperidade.html
Comentários
0 Comentários